Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA)

O Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA, antigo Centro de Controle de Zoonoses - CCZ) consiste em uma Unidade do sistema local de saúde, voltada à vigilância, prevenção e controle de zoonoses e de fatores ambientais que podem colocar em risco a saúde humana. Esse serviço desenvolve um conjunto de ações que propiciam o conhecimento e a detecção de mudanças nos fatores determinantes e condicionantes do meio ambiente que interferem na saúde humana, tais como a população de animais, vetores, reservatórios, hospedeiros e de fatores não biológicos do meio ambiente (água, ar e solo). O principal objetivo do CVSA é executar ações dirigidas com o propósito de promover e proteger a saúde da população de Vitória, a partir da identificação, eliminação e/ou redução das situações ou dos fatores de risco associados à ocorrência de doenças e agravos, por meio dos seguintes serviços: Controle de Vetores (mosquitos), Controle de Animais Reservatórios (cães, gatos e morcegos), Controle de Roedores e Animais Sinantrópicos, Laboratório de Entomologia, Parasitologia, Micologia e Malacologia, Educação em Saúde Ambiental, Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano, Vigilância da Qualidade do Ar e a Vigilância de Populações Expostas a Solos Contaminados. A Equipe do CVSA é formada por biólogos, médicos veterinários, oceanógrafo, engenheiro, agentes de combate às endemias, agentes de saúde, auxiliares e técnicos de laboratório, dentre outros profissionais.

Adoção de Animais e Orientações sobre guarda responsável e manejo

O Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA, antigo Centro de Controle de Zoonoses - CCZ) possui um canil e gatil onde mantém animais recolhidos nas vias e logradouros em situações que caracterizem risco à saúde pública, tais como casos de animais agressivos sem motivo aparente, atropelados em via pública (por serem suspeitos de doença neurológica como a raiva), fêmeas no cio (por provocarem comportamento agressivo entre machos) e fêmeas com filhotes que estejam agressivas em função da prole. Esses animais são acompanhados por médico veterinário e, após o período de observação, são castrados e disponibilizados para adoção. Qualquer pessoa maior de 18 anos pode adotar um cão ou gato, desde que apresente documento de identificação com foto, comprovante de residência e assine Termo de Responsabilidade pela Adoção, em que o adotante se responsabiliza por todos os cuidados e necessidades do animal após assumir sua guarda. O CVSA também presta orientação à população sobre guarda responsável e manejo de animais, cuidados básicos de cães e gatos, cuidados para evitar a proliferação de parasitas (pulgas e carrapatos), bem como orienta sobre adequada conduta e manejo de cães e gatos e outros animais domésticos. Adotando medidas preventivas e de guarda responsável, evita-se acidentes à terceiros e à outros animais, assim como a proliferação indesejada de outros animais sinantrópicos no ambiente (pulgas, carrapatos, roedores). O CVSA não recebe animais sadios para doação. Somente são admitidos animais que representem risco à saúde pública, após avaliação técnica da equipe.

Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (VIGIÁGUA)

O Programa Vigiágua realiza coleta de amostras de água para consumo humano a fim de monitorar a qualidade da água tratada que é fornecida pela concessionária (no caso, a CESAN). São analisados os parâmetros de potabilidade para consumo humano, conforme estabelece a Portaria MS N° 2914/2011 (residual de cloro, pH, turbidez, fluoreto, presença de coliformes totais e E. coli - o que indica contaminação da água por fezes). No caso, mensalmente são coletadas amostras de água recebidas direto da rede de abastecimento (“água da rua”) em vários estabelecimentos públicos de interesse a saúde (Unidades de Saúde, CMEIs, EMEFs, Hospitais) e coleta de água nos dois rios que abastecem o município (Rio Jucu e Rio Santa Maria) para determinação da concentração de cianobatérias (microorganismos que quando presentes na água representam risco à saúde). Caso não esteja dentro das normas, a água de fornecida pode ser a origem de algumas enfermidades causadas por bactérias, vírus, protozoários, helmintos ou até mesmo substâncias químicas. Quando as Unidades de Saúde notificam casos de doenças transmitidas pela água, como hepatite A e diarréia, a equipe realiza a coleta da água do reservatório da residência ou estabelecimento (caixa d’água, bebedouro, torneira da cozinha, entre outros) para investigação da presença de coliformes totais e E. coli. A população pode solicitar orientações sobre limpeza e boa conservação dos reservatórios de água pelo Telefone 156.

Controle de roedores

O controle de roedores nas cidades mostra-se como um grande desafio, visto que a urbanização acelerada contribui para criação de condições ambientais que favorecem a instalação e manutenção desses animais nas vias públicas e nos imóveis. Por serem transmissores de diversas doenças, o Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA, antigo Centro de Controle de Zoonoses - CCZ) realiza o controle da população de roedores por meio da aplicação de raticidas em Unidades de Saúde e em determinadas localidades do município prioritárias para controle, a partir de indicadores ambientais e epidemiológicos, a saber: (1º) áreas sujeitas a alagamentos e ou que apresentem condições socioambientais favoráveis à proliferação de roedores, notadamente aquelas relativas a saneamento e habitação; (2º) existência de casos notificados de leptospirose; (3º) áreas que apresentam grande demanda social para execução de ações voltadas ao controle de roedores; (4º) áreas com maior concentração de atividades relacionadas à alimentação. São tratadas as Unidades de Saúde do município, áreas públicas e imóveis para bloqueio de casos notificados de leptospirose ou em caso de agressão por roedores, por meio da aplicação de raticidas em bueiros, tocas e outros locais que servem de abrigo ou acesso de ratazanas, rato-de-telhado e camundongos. O morador de Vitória que se sinta incomodado com a presença de roedores pode solicitar o serviço pelo Telefone 156. As reclamações recebidas auxiliam a equipe técnica a estabelecer prioridades para atendimento com o serviço.